secom ponte ilheus


Bradesco pressiona bancários e os coloca em situação de risco em plena pandemia de Covid-19

0
580

Gerentes do Bradesco pressionam, nos bastidores, e colocam funcionários para fazerem visitas aos seus clientes e ofertar produto. A situação atual é precária no comércio local, fechado há setenta dias, ainda assim, o banco de expões seus funcionários ao risco, mandando ir para rua vender produtos.

Muitos desses trabalhadores se privam de ver as próprias famílias, mas são obrigados a se deslocarem para as ruas e abordar o cliente, mesmo com as lojas fechadas, ou até mesmo tendo que ir à de casa de clientes para ofertar produtos.

O risco que bancários correm é muito alto, se expondo para atender clientes nesse período de pandemia da Covid-19. Trabalhadores vão para as ruas, por pressão do Bradesco, descumprindo o decreto recomendando o isolamento social, que não permite isso, gerando riscos à saúde dos funcionários, que são expostos de forma abusiva pela instituição.

No atual cenário, muitos clientes não têm condições de comprar nenhum produto do banco. A instituição bancária deveria ajudar empresários e seus negócios por meio de concessão de crédito, com taxa baixa, mas não é isso que acontece.

Bloqueio de estacionamento, multas e insegurança – Os bancários estacionavam seus carros no estacionamento privado do Bradesco, porém a prefeitura de Ilhéus bloqueou algumas ruas e afetou o acesso ao local. Funcionários continuaram estacionando seus veículos no banco, porém, durante as semanas passadas, a superintendência de trânsito multou vários carros, mesmo dentro de um estacionamento privado.

Diante disso, o banco orientou os funcionários a estacionarem seus carros nas adjacências, como Avenida Dois de Julho, Rua Sete de Setembro, entre outras. Na última sexta-feira (29), três bancárias saíram por volta das 15h e 16h, e os locais nesse horário, as ruas já estão desertas, e não estão seguras. Na ocasião, usuários de drogas começaram a se aproximar das mulheres, porém como havia também a presença de um colega, essas pessoas se afastaram do carro.

Com o veículo em movimento, a bancária percebeu que os homens haviam murchado os pneus do veículo, o que poderia viabilizar um assalto, ou outro tipo de ataque às mulheres.

As atividades bancárias são consideradas como serviço essencial, só que o Bradesco não apresenta nenhuma solução no quesito segurança para que os funcionários possam trabalhar com tranquilidade.

O jurídico do sindicato orientou um dirigente sindical que informou ao gerente geral da agência que ele precisava notificar a Prefeitura de Ilhéus, com um ofício do jurídico do Bradesco, descrevendo que o estacionamento do banco é particular, porém, não foi adotada nenhuma providência.

Aparentemente, o banco está com descaso, não se preocupa com a segurança do funcionário. O Bradesco expõe os bancários de forma abusiva diariamente, tanto na parte das visitas, quanto na questão do estacionamento, deixando a categoria preocupada, principalmente as mulheres, que trabalham com a tensão da situação atual.

Fonte: Sindicato dos Bancários de Ilhéus.

Publique seu comentário