WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


bahiagas

:: ‘Artigos’

Eficiência e Inovação na Gestão da Saúde

Fábio Vilas-Boas.

Fábio Vilas-Boas.

Por Fábio Vilas-Boas – secretário de saúde da Bahia

A Secretaria da Administração do Estado da Bahia (Saeb) promoveu em outubro, o Prêmio Boas Práticas de Trabalho do Serviço Público. Foram premiadas 10 práticas de excelência, sendo seis realizadas por servidores da Secretaria da Saúde da Bahia (Sesab).

Afirmar que é um orgulho ver o trabalho dos servidores da Sesab reconhecido, conquanto premia a nossa vontade em oferecer serviços de saúde cada vez melhores para a população da Bahia, é apenas a face visível de um enorme esforço de gestão. Mesmo em equipamentos públicos do estado que não concorrem a qualquer premiação, estamos sentindo o reconhecimento espontâneo da população da capital e do interior, comprovando o acerto do Governador Rui Costa em investir, cada vez mais, na qualidade do serviço de saúde pública do estado.

:: LEIA MAIS »

Sobrinhos podem ser herdeiros?

mao-cortada-do-empresario-escrevendo-no-papel-na-mesa-no-escritorio_107420-799A herança é uma massa indivisível que é transmitida aos herdeiros no momento em que seu autor morre. No entanto, para que a transmissão seja oficializada é necessário que seja realizado um processo chamado de inventário, no qual será feito levantamento de todos os bens, obrigações e direitos que formam a herança. Assim, apenas ao fim do inventário é que os bens serão partilhados entre os herdeiros.

Contudo, quem são esses herdeiros? Quem pode ser herdeiro?

Em uma resposta abrangente, poderíamos dizer que qualquer pessoa pode ser herdeiro, desde que o autor da herança assim o deseje e expresse através de testamento. No entanto, e se não houver testamento? Como saber quem são os herdeiros?

:: LEIA MAIS »

A Vida é Breve e a Arte é Longa

Arlicélio e Gisélia

Arlicélio e Gisélia.

Por: Arlicélio Paiva, professor doutor da UESC, Ilhéus, Bahia

O arquiteto e médico grego Hipócrates Asclepíades nasceu na ilha de Cos por volta de 460 a.C., na chamada idade de ouro da Grécia antiga. Muito do que se sabe a seu respeito foi escrito 500 anos depois de sua morte por Soranus, também médico grego. Por essa razão é possível que alguns escritos atribuídos a Hipócrates não tenham sido de sua autoria, como o famoso “Juramento de Hipócrates”, que é solenemente prestado pelos estudantes de medicina durante as cerimônias de formaturas, prometendo manter os padrões éticos da profissão.

A medicina hipocrática tem como princípios a dieta saudável e os exercícios físicos como forma de prevenir e combater a maioria das doenças, não dispensando o uso de medicamentos, quando necessário. Hipócrates utilizava de aforismos para falar sobre doenças e ensinar a arte da cura e da medicina. O aforismo é um texto conciso, usado para transmitir sabedoria acumulada no ramo das ciências, da filosofia e das artes. Hipócrates foi pioneiro na formulação de aforismos e o primeiro deles foi “Vita brevis, ars longa” que, traduzido do latim para o português, significa “A vida é breve e a arte é longa”. Hipócrates utilizou esse aforismo para ensinar a medicina, ressaltando as dificuldades e os perigos enfrentados pela profissão. No entanto, vários autores se inspiraram no primeiro aforismo de Hipócrates, adotando a livre forma de se expressar.

Sêneca, filósofo e estadista romano (4 a.C. – 65 d.C.), foi o primeiro a popularizar esse aforismo que inspirou Goethe a escrever “Fausto”, uma das suas principais obras, e a Tom Jobim a compor a música “Querida”.

:: LEIA MAIS »

Filhos Marinheiros, Pais Faroleiros

Arlicélio Paiva, professor doutor da UESC, Ilhéus, Bahia.

Arlicélio Paiva, professor doutor da UESC, Ilhéus, Bahia.

Por: Arlicélio Paiva, professor doutor da UESC, Ilhéus, Bahia

Os povos Austronésios que viviam no sudoeste da Ásia foram os primeiros navegadores oceânicos. Eles utilizavam barcos do tipo catamarã para o comércio marítimo e ocupação de ilhas dos oceanos Índico e Pacífico, por volta de 2.000 a.C. Vários outros conquistadores navegaram em busca do comércio e da ampliação dos seus territórios, como: fenícios, vikings, gregos, romanos, árabes, chineses, portugueses, espanhóis, holandeses, dentre outros.

Segundo a mitologia grega, o primeiro farol foi criado na cidade de Náfplio, na Grécia, por Palamedes, um dos heróis da guerra de Tróia, a quem também é atribuída a criação de pesos e medidas e do primeiro alfabeto grego. No entanto, a história comprova que o farol mais antigo do mundo é o de Alexandria, que é considerado como uma das sete maravilhas do mundo antigo, construído no Porto de Alexandria, na Ilha de Faros (daí o termo “farol”), no Egito, por volta de 300-280 a.C. Antes da criação dos faróis do modo que existem atualmente, incêndios em colinas rochosas eram usados para orientar os marinheiros nas entradas dos portos. Com o passar do tempo, o fogo era ateado sobre plataformas elevadas para que os navegantes enxergassem a maiores distâncias, surgindo assim, os faróis.

O Império Romano foi responsável pela construção de vários faróis para facilitar o seu comércio marítimo. Com a decadência do império, tanto o comércio marítimo quanto os faróis se extinguiram, renascendo mais tarde com as grandes navegações europeias. O faroleiro mais conhecido dessa época (por volta de 1.450) trabalhava em Gênova na Itália e se chamava Antônio Colombo, tio do navegador Cristovão Colombo.

:: LEIA MAIS »

Um Bolero para Dois

Arlicélio Paiva, professor doutor da UESC, Ilhéus, Bahia.

Arlicélio Paiva, professor doutor da UESC, Ilhéus, Bahia.

Por: Arlicélio Paiva, professor doutor da UESC, Ilhéus, Bahia

Beno é um jovem recatado de 30 anos, casado e que se comporta de modo receoso diante das pessoas. É o funcionário mais dedicado na empresa do Dr. Figueira, a quem muito admira. Ele vive um desejo de cada vez. A aspiração do momento é estrear no teatro durante o festival de dança da academia, formando um par com a sua amada esposa para dançar bolero, um gênero musical de origem latina.

Acredita-se que o bailarino espanhol Sebastian Cerezo foi o criador dessa dança, por volta de 1780, inspirado em outros ritmos populares da época. Mas, foi em Cuba que o bolero ganhou adaptações e, principalmente, notoriedade, pela dedicação de Pepe Sanchéz, que compôs e gravou “Tristezas” em 1885.

O bolero continuou a evoluir, sendo cantado e decantado no mundo inteiro. Memoráveis canções, compostas na década de 1940 – 1950, ainda são regravadas pelas gerações atuais, com destaque para “Besame Mucho”, composta pela mexicana Consuelo Velásquez em 1941, aos 15 anos de idade; “Solamente Una Vez”, do mexicano Augustin Lara, escrita em 1941 para homenagear o seu amigo José Mojica, quando soube que ele iria abandonar a carreira de ator de cinema para se tornar um Frei Franciscano; e “Historia de Un Amor”, composta pelo panamenho Carlos Almarán em 1955, inspirado na viuvez do seu irmão.

Beno escolheu com muito esmero “Quizás, Quizás, Quizás”, do compositor cubano Osvaldo Farrés, de 1947. Ele estava tão imbuído na sua aspiração momentânea que cuidou em detalhes do seu bolero – a sua versão preferida foi gravada pela cantora guatemalteca Gaby Moreno!

:: LEIA MAIS »

Entendendo a Previdência Privada

Previdência-Privada-de-A-a-ZA Previdência Privada é uma das formas de investimentos mais procuradas no Brasil, isso se deve à sua praticidade e alguns incentivos que são característicos desse tipo de investimento.

A maioria dos brasileiros já possui um plano de previdência complementar ou pelo menos já ouviu falar, mas a grande maioria desconhece as particularidades desse investimento.

Através de contribuições mensais ou esporádicas, a previdência privada busca construir um patrimônio financeiro ao longo do tempo para que seja utilizado a qualquer momento ou convertido em renda de aposentadoria.

Uma coisa que a maioria dos investidores não sabe é que, ao aderir a um plano de previdência, você não está emprestando dinheiro a nenhuma instituição, mas sim, deixando o dinheiro sobre gestão dessa instituição, a qual vai investir em produtos financeiros de renda fixa como: CDB, Títulos públicos, LCI, Debêntures, etc. ou produtos de renda variável como ações, etc.

:: LEIA MAIS »

Pai só merece um dia?

ANTONIO NUNESAntonio Nunes de Souza*

A instituição comercial criou e, tranquilamente, todo povo aprovou. Pois, já que comemora-se os dias das mães, avós, crianças, sogras, tias, etc., nada mais justo que comemorar regiamente o dia dos pais!

Mas, será que é justificado uma homenagem de um dia dedicado aos pais?

Sinceramente, creio que não!

Pois, sem nenhuma dúvida, a figura do pai deveria ser doutrinada, apaixonadamente, todos os dias do ano. E não pensem que estou exagerando!

Os pais, na sua avassaladora maioria, lutam bravamente nos seus trabalhos, voltando-se completamente para dar um bem estar, não só aos filhos, como a toda família!

Logicamente, esse comportamento é mais que digno que, os seus dias, sejam os trezentos e sessenta e cinco do ano!

De modo algum estou “puxando a brasa para minha sardinha”, já que sou pai de dois maravilhosos filhos. Estou apenas fazendo umas observações justas e cabíveis aos, normalmente, provedores do lar. Muito embora, graças a Deus, as mulheres passaram a trabalhar em todas as profissões e, com isso, muitas estão dividindo essa tarefa terrível da manutenção caseira e educacional!

:: LEIA MAIS »

Você sabia que a casa construída no fundo pode entrar na divisão de bens?

homem-de-negocios-examinando-papeis-na-mesa_1262-3706A divisão de bens após o divórcio ou união estável depende muito do modelo de Partilha de Bens escolhido antes ou durante a união. Os modelos mais comuns são Comunhão Parcial de Bens, Comunhão Universal de Bens e Separação de Bens.

Se você vive em união estável, é extremamente importante que entenda como cada regime funciona!

Comunhão Parcial de Bens

Nesse modelo, só entram na divisão os bens adquiridos durante a constância da união e estes serão divididos igualmente entre o ex-casal. Ele também é conhecido como Regime Legal, uma vez que quando os cônjuges não escolhem um modelo de partilha através do Pacto Antenupcial, ele é automaticamente aplicado.

Além disso, é o regime de bens utilizado como regra para a partilha em casos de união estável.

:: LEIA MAIS »

A Ilha dos Daltônicos

Arlicélio Paiva, professor doutor da UESC, Ilhéus, Bahia.

Arlicélio Paiva, professor doutor da UESC, Ilhéus, Bahia.

Por: Arlicélio Paiva, professor doutor da UESC, Ilhéus, Bahia

O neurologista e escritor inglês Oliver Wolf Sacks sempre foi fascinado por ilhas. Ao ouvir relatos de que cerca de 10% da população de uma pequena ilha chamada Atol de Pingelap, localizada na Micronésia, no Pacífico Sul, a leste das Filipinas, possuía problema de daltonismo, ele ficou interessado em conhecê-la. O daltonismo é um distúrbio causado por uma alteração genética que provoca confusão na percepção de cores, geralmente entre o verde e o vermelho e, com menor frequência, entre o azul e o amarelo. Existe uma estimativa mundial de que 300 milhões de pessoas são acometidas por algum tipo de daltonismo, sendo 8 % dos homens e 0,5 % das mulheres. O tipo de daltonismo mais grave, felizmente muito raro, é chamado de acromatopsia, que é conhecido também por “cegueira de cores”. As pessoas portadoras dessa disfunção enxergam o mundo em preto, branco e cinza.

A chamada “luz visível” é uma pequena porção da radiação eletromagnética detectável pelos olhos humanos. Existem dois tipos de fotorreceptores na retina, os bastonetes, que permitem ver as coisas em preto, branco e cinza, e os cones, que revelam as cores aos olhos. Os cones dos daltônicos portadores da acromatopsia não funcionam bem e, por isso, eles não enxergam o mundo das cores.

Os moradores do Atol de Pingelap possuem acromatopsia completa, caracterizada por baixa acuidade visual, além dos outros sintomas comuns do distúrbio. Com o objetivo de estudar essa comunidade isolada, Sacks organizou uma equipe de cientistas que viajou para a ilha. Há relatos não comprovados de que um tufão devastou a ilha por volta de 1775 e um dos poucos sobreviventes era portador do raro gene recessivo da acromatopsia, transmitindo esse distúrbio para boa parte dos seus descendentes. Depois de investigar sobre o fenômeno, Sacks elaborou uma narrativa sobre a vida dessa população, que consta no livro “A Ilha dos Daltônicos”.

:: LEIA MAIS »

A simplicidade do Implante dentário

Dr. Marcus Vinícius - dentista, especialista em Implante.

Dr. Marcus Vinícius – dentista, especialista em Implante.

Por Dr. Marcus Vinícius – dentista, especialista em Implante.

Muito se fala sobre implantes dentários, diversas são as propagandas e o paciente fica sem saber o que fazer. Neste breve explicativo vamos sanar algumas dúvidas a respeito do assunto. O implante dentário é simplesmente um parafuso de titânio que geralmente tem a forma semelhante da raiz do dente, e é instalado no osso para nos auxiliar na colocação de próteses dentárias, substituindo os dentes perdidos.

Os implantes não tem rejeição pois o material é biocompatível com o nosso organismo, sendo já utilizado na medicina há muitos anos. Após criteriosa avaliação clínica e dos exames de imagem, um plano individualizado de tratamento é  elaborado,  onde é informado ao paciente todas as informações pertinentes ao seu tratamento, como por exemplo tempo de tratamento, necessidade ou não de enxertos, tipos de próteses que serão usadas no período de cicatrização e até mesmo a possibilidade de realização de uma carga imediata que é a colocação de um a prótese já  fixada nos implantes no período de até 72 horas, por isso é importante a avaliação do especialista para que todas essas situações sejam avaliadas e discutidas.

O tratamento é realizado sob anestesia local e o processo de reparação é muito rápido.  Com os implantes conseguimos devolver estética, função mastigatória e autoestima para nossos pacientes. Na clínica Odontoface por exemplo, temos a opção de anestesia local sem dor, essa tecnologia tem trazido muito conforto aos nossos pacientes.

*Dr. Marcus Vinícius é Dentista, especialista em Implante. Atua nas Clínicas Odontoface de Itabuna e Ilhéus.

1º de Maio: é preciso estar atento e forte

Davidson Magalhães. Foto divulgação.

Davidson Magalhães. Foto divulgação.

Por Davidson Magalhães – presidente do PCdoB-Bahia e secretário do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte da Bahia

Em que contexto acontece esse 1º Maio em nosso país? Ocorre no momento do maior ataque concentrado aos direitos e às estruturas de trabalho, desde a ditadura militar.

Dia 1º de maio de 1886, uma gigantesca greve de operários, nas ruas fabris de Chicago (EUA), foi brutalmente ensanguentada pelo aparato policial.

O ato reivindicava a redução de 15 para 8 horas diárias, o fim do trabalho infantil e do turno feminino à noite, por conta da jornada dupla das mulheres. Ou seja, pautas do trabalho decente, em defesa dos direitos, fatos que se repetem decorridos 133 anos.

Este emblemático 1º de maio sinalizou a classe trabalhadora como protagonista política; pois já era força econômica integrada ao avanço industrial que permearia o século XX. No Brasil não foi diferente.

Com a industrialização e ascensão da classe operária no período de Getúlio Vargas, o Dia do Trabalhador nos décadas de 1930 e 1940 foram marcados pela promulgação de leis e benefícios. Em 1940, o salário mínimo. Em 1941, a Justiça do Trabalho. Vargas também criou o Ministério do Trabalho (26/11/1930).

:: LEIA MAIS »

Conjugando o verbo “roubar”

Arlicélio Paiva, professor doutor da UESC, Ilhéus, Bahia.

Arlicélio Paiva, professor doutor da UESC, Ilhéus, Bahia.

Por: Arlicélio Paiva, professor doutor da UESC, Ilhéus, Bahia

Sim, é do polêmico Padre Antônio Vieira que tratamos aqui neste texto! Ele nasceu em Lisboa, Portugal no início do século XVII e aos seis anos migrou com a família para Salvador onde o seu pai exerceu a função de escrivão. Vieira teve sua formação e iniciou a vida sacerdotal em Salvador.

O Padre Vieira foi um verdadeiro ativista político e defensor dos direitos humanos da sua época. No Brasil, combateu os interesses dos escravocratas, defendendo a liberdade dos indígenas, sendo carinhosamente chamado por eles de Paiaçu (grande pai). Na Europa, Vieira lutou contra a horrenda inquisição e, por essa razão, foi preso acusado de heresia. Ele também se opôs à discriminação aos cristãos novos, como eram conhecidos os judeus.

Como consequência da sua ação prática, o poeta português Antônio Pessoa o considerou como o “Imperador da Língua Portuguesa”.

Por falar em língua, o Padre Vieira não tinha papas na língua! Falava o que lhe convinha, sem se preocupar com opiniões alheias. Segundo ele:

A pregação que frutifica, a pregação que aproveita, não é aquela que dá gosto ao ouvinte, é aquela que lhe dá pena. Quando o ouvinte a cada palavra do pregador treme; quando cada palavra do pregador é um torcedor para o coração do ouvinte; quando o ouvinte vai do sermão para casa confuso e atónito…”.

Um dos sermões mais notáveis do Padre Antônio Vieira foi o proferido na Igreja da Misericórdia em Lisboa no ano de 1655 – O Sermão do Bom Ladrão. Na ocasião, estavam presentes o rei D. João IV, sua corte e demais autoridades. Apesar de já ter transcorrido mais de 360 anos, esse sermão, que também fazia alusão às ilicitudes ocorridas no Brasil Colonial, ainda é bastante atual, infelizmente.

:: LEIA MAIS »

Nosso Humor por Marcos Pennha

Imagem da web.

Imagem da web.

Nosso Humor
Marcos Pennha

* O povo
é um leão contra
os políticos
em todo
lugar

Na urna eletrônica, porém,
é tchutchuca

A necessidade da “ecdise humana”

Arlicelio Paiva

Arlicélio Paiva, professor doutor da UESC, Ilhéus, Bahia.

Por: Arlicélio Paiva, professor doutor da UESC, Ilhéus, Bahia.

O esforço que faz uma cigarra (e outros animais) para renovar o tegumento (revestimento do corpo) é chamado de ecdise. Trata-se de um importante processo de evolução e crescimento contínuo para a cigarra, pois é essencial para que ela se adapte a diferentes tipos de ambientes. Como ela gasta muita energia nesse processo de mudança, acaba ficando fragilizada por certo tempo, podendo ser atacada por predadores.

No presente texto, tomo a liberdade de empregar o termo ecdise para os seres humanos, não como uma simples renovação da pele, mas no sentido de mudança de comportamento, quando o indivíduo adota atitudes com novos propósitos, que impedirão o seu retorno ao ponto evolutivo em que se encontrava.

Essa mudança pode ser adquirida ao longo do tempo quando a pessoa passa por cada fase do seu desenvolvimento. Nesse caso, a ecdise é horizontalizada, suave, sem mudanças emocionais repentinas, amparada pela família, orientada pela escola e compartilhada com os amigos.

Mas, existe a ecdise abrupta, motivada por determinadas circunstanciais. Ela é verticalizada, tal qual uma barreira intransponível. Como a pessoa não sabe o que tem por trás, nem mesmo tem noção de como escalar, é natural que ocorram emoções muito fortes. Essa situação pode levar à desorientação do indivíduo por determinado tempo. Nesse tipo de ecdise, muitas vezes, não há amparo nem orientação adequados, a pessoa pode viver momentos angustiantes, de solidão, passando um bom tempo tragando, remoendo e meditando sobre a nova experiência que está vivenciando, e que a impedirá de ser a mesma pessoa.

:: LEIA MAIS »

Artigo – Sobre a Roda de Mulheres

Cris Calabro - presidente da UBM Ilhéus.

Cris Calabraro – presidente da UBM Ilhéus.

Sobre a Roda de Mulheres (23 de março de 2019).

A primeira atividade de formação da União Brasileira de Mulheres (UBM) Ilhéus, Bahia foi marcada pela roda de mulheres. Nela apenas mulheres, preparadas para uma dinâmica onde foram colocadas duas questões: Qual a vantagem e a desvantagem em ser mulher?

Uma a uma começou a relatar suas experiências de acordo com as questões levantadas. Muitas ainda tímidas começam a falar de seus momentos vividos e que foram marcados em suas vidas. Histórias de amor e de dor.
Ao ouvir cada momento nos pegamos em nossa mente vendo nosso reflexo em cada história contada. Casos que se repetem. Emoção resume uma roda de mulheres.

30 mulheres envolvidas com a atividade, transmitindo seus mais puros e sinceros sentimentos.

A maior vantagem que podemos perceber em ser mulher foi o privilégio de ser mãe, gerar um filho é realmente marcante na vida de uma mulher, querendo ou não aquele filho. Da nossa empatia umas pelas outras e da nossa capacidade em realizar diversas tarefas ao mesmo tempo. Da nossa entrega. Falando da desvantagem, algo em comum foi à dificuldade em trabalhar e estudar sendo mãe, pois nossas maiores “obrigações” são cuidar dos filhos, da casa, do bem estar da família, e muitas vezes não nos sobram tempo para um trabalho fora do lar ou para irmos a escola, e quando conseguíamos esse tempo, muitas eram questionadas sobre como conseguiam exercer tantos afazeres.

:: LEIA MAIS »



WebtivaHOSTING | webtiva.com . Webdesign da Bahia