sind sefaz


Projeto Hip Hop Renasce promove evento no palco Ramon Vane, no bosque da UESC, dia 14

0
257

Fortalecer as potências da juventude e promover a cidadania como enfrentamento aos desafios sociais. Para isso, projeto Hip Hop Renasce realiza quatro horas de atividades artisticas no dia 14 de maio, das 16h às 20h, no palco Ramon Vane, no bosque da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC). Serão oficinas de Hip-Hop, literatura de cordel, debates, grafite e apresentações musicais de rap e outros gêneros, além de uma batalha do conhecimento para rimadores da região. A atividade é aberta ao público e conta com acessibilidade, por meio da tradução em Libras.

Nomes da cena do rap regionais marcarão presença no palco, como Billy Fat, Jhonny Z (Razzo Records), Moa Venus (Digital Apparatus), Patrick WP, Us Bantú’s. Rimadores e poetas que queiram expor sua arte terão o palco aberto.

“Este projeto pretende fazer ‘renascer’ a força motriz nas pessoas. Estimular a vontade de sonhar e realizar os sonhos, apesar da falta de acesso à qualidade de vida de boa parte da população. Visa promover esperança diante das dificuldades sociais e, especialmente, fortalecer os jovens para que sigam seu caminho de aperfeiçoamento socioeconômico, longe das opções criminosas”, conta Pedro Albuquerque, historiador, jornalista, professor e um dos idealizadores do projeto. As ações do Hip Hop Renasce começaram em escolas da rede pública de ensino, promovendo atividades para estudantes do Centro Educacional Álvaro Melo Vieira (Ceamev), e do Colégio Modelo Luís Eduardo Magalhães, ambos em Ilhéus, nos dias 26 e 27 de abril, respectivamente.

O projeto busca transformar em arte a expressão da realidade contada a partir dos jovens, qualificar as rimas dos participantes das oficinas por meio de palestras sobre história e objetivo do movimento Hip Hop, realidade do sistema prisional e cidadania, oportunidades de vida e trabalho. As atividades também buscam encorajar o surgimento de novos artistas na cena cultural da região, que tenham inclinação para as artes que compõem a cultura Hip Hop – música, artes visuais e dança.

Hip Hop e cidadania

O Hip Hop Renasce aposta na força do movimento que surgiu nas ruas nova-iorquinas na década de 70, e que ganhou o mundo pela expressão dos desafios sociais, comum em muitas realidades no mundo. Em Ilhéus, recorte territorial desta primeira edição do projeto, artistas da música e das artes visuais despontam com rimas e grafites, fazem das ruas o seu palco e ganham cada vez mais o público que se conecta com essas linguagens.

É o caso do rapper Billy Fat, que é facilitador da oficina de Hip Hop do projeto e que lembra da surpresa ao perceber a força mobilizadora desse movimento cultural em Ilhéus. “Esse processo começa com rappers fazendo o que gostam, do jeito que podem, com uma caixa de som e um microfone na porta das escolas públicas, nas ruas. Um dia, aconteceu uma batalha de rap no bairro da Urbis, zona sul da cidade, éramos apenas oito pessoas. Na semana seguinte, quando fizemos novamente, tinham 80 pessoas. Começamos a entender que a cultura já estava sendo conhecida, mas as pessoas não se conheciam. Foi então que buscamos amplificar esse movimento”, conta Billy, que já tem discos gravados e é referência nessa linguagem.

O projeto ainda prevê atividades no Presídio Ariston Cardoso, com oficinas profissionalizantes e artísticas, além de apresentações musicais. Este foi o único projeto aprovado no edital da Lei Paulo Gustavo, no Estado da Bahia, a contemplar ações culturais no sistema prisional. “Acreditamos, que as atividades irão favorecer um caminho para a ressocialização de pessoas em regime de reclusão penitenciária e, também, uma prevenção em espaços de ensino, para coibir o aumento do índice de violência e outros crimes na cidade. Por isso, acontece tanto nos espaços de ensino quanto no presídio”, conta Pedro, que também realiza aulas de Teatro no presídio de Itabuna-BA, cidade vizinha a Ilhéus. “Precisamos de ações para saciar a fome física e a fome de conhecimento. O projeto chega para contribuir com essa última”.

Para mais informações sobre o projeto, acompanhe as redes sociais @hiphop.renasce

Este projeto foi contemplado nos Editais da Paulo Gustavo Bahia e tem apoio financeiro do Governo do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura via Lei Paulo Gustavo, direcionada pelo Ministério da Cultura, Governo Federal. Paulo Gustavo Bahia (PGBA) foi criada para a efetivação das ações emergenciais de apoio ao setor cultural, visando cumprir a Lei Complementar nº 195, de 8 de julho de 2022.

Publique seu comentário

WordPress Lightbox