sesab bahia


TJ-BA determina que governo pague salário de professores grevistas da Uneb

0
85
750_uneb-justica-governo-pagamentos_20195621224296

Os professores da UNEB estão em greve há 28 dias.

Do A Tarde

O Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) concedeu na tarde desta segunda-feira, 6, uma liminar que impede o corte dos salários dos professores da Universidade Estadual da Bahia (Uneb) em greve. De acordo com o documento, expedido pelo desembargador Edmilson Jatahy Fonseca Júnior, o governo terá 72h para suspender a decisão e efetuar o pagamento da categoria.

“Diante do exposto, presentes os pressupostos autorizadores, concedo a medida liminar para determinar, às autoridades coautoras que procedam, no prazo de 72 horas, o pagamento dos salários do mês de abril de 2019 e eventuais meses subsequentes, em valores devidamente corrigidos e atualizados; bem como que se abstenham de efetuar o desconto dos dias parados, em virtude de deflagração de movimento grevista pelos docentes, efetivos ou temporários, da Uneb. Devem os acionados, ainda, que mantenham e, se for o caso, sucessivamente, restabeleçam o atendimento dos docentes efetivos e temporários, bem como seus dependentes e agregados, conveniados ao Planserv”, diz o documento.

Os professores da Uneb estão em greve há 28 dias. Segundo a Associação dos Docentes da Uneb (Aduneb), a paralisação é motivada pelo “respeito aos direitos trabalhistas negados, maior orçamento às universidades e melhores salários”. Além da Uneb, participam do movimento docentes das universidades estaduais de Feira de Santana (Uefs), Sudoeste da Bahia (Uesb) e Santa Cruz (Uesc).

Protesto no CAB

Ainda de acordo com a Aduneb, para esta terça-feira, 7, está previsto um ato público com apoio de estudantes nas ruas do Centro Administrativo da Bahia (CAB), com concentração a partir das 8h na Assembleia Legislativa (Alba). O protesto busca reivindicar a reabertura das negociações.

No mesmo local, às 11h, acontece uma audiência pública: “O Ensino Superior no Estado da Bahia e os seus desafios”. Segundo a Aduneb, o último ato público, realizado em abril, reuniu cerca de 1.500 manifestantes no Campo Grande.

Publique seu comentário