secom bahia

secom bahia


Dia Mundial de Combate à Dor, médicos alertam para grave problema de saúde pública

0
219
Closeup of young man touching temples with fingers as if suffering from severe migraine, feeling sick, isolated on gray background

Closeup of young man touching temples with fingers as if suffering from severe migraine, feeling sick, isolated on gray background

Dia 17 de outubro, Dia Mundial de Combate à Dor

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a dor crônica (aquela que se caracteriza por durar mais de três meses) é um grave problema de saúde pública. Ela se tornou um tema médico tão importante que, nos últimos anos, já é reconhecido como área de atuação específica na prática médica. Só no Brasil, de acordo à Sociedade Brasileira para Estudo da Dor (Sbed), cerca de 35% da população (ou seja, mais de 70 milhões de pessoas) sofre com este problema. As síndromes dolorosas crônicas mais comuns são: dor nas costas, nas articulações, na cabeça, as musculares e aquelas ligadas ao tratamento e padecimento de doenças, como câncer.

A dor crônica interfere no cotidiano das pessoas, prejudicando o desempenho no trabalho, nas atividades de casa, no sono, nas relações pessoais e causa impacto até na economia. Segundo dados da Previdência Social sobre a saúde do trabalhador, a dor lidera o ranking de causas de afastamento do trabalho, afetando, inclusive, pacientes jovens em idade economicamente ativa. Entre os idosos, a prevalência de dor crônica é também alta, associada, muitas vezes, à presença de doenças crônicas e degenerativas e à falta de atividades físicas. O impacto, muito além do sistema previdenciário, é também sobre o sistema de saúde, público ou privado, já que o aumento da procura às emergências médicas, às internações hospitalares repetidas e a exames e procedimentos cirúrgicos é sintomático (e poderia ser evitado).

Nesta quinta-feira, 17, Dia Mundial de Combate à Dor, a sociedade médica alerta para este problema que é sinônimo de sofrimento, estresse e isolamento, afetando a saúde física, emocional e social de quem sente dor, interrompendo sua qualidade de vida. “Sentir dor permanente está se tornando algo comum, mas não é normal. A pessoa que sente dor não deve, em hipótese alguma, acostumar-se com a circunstância. Deve, sim, procurar um tratamento multiprofissional especializado para resgatar sua qualidade de vida”, defende o Dr. Leandro Menezes, especialista em dor e um dos médicos responsáveis pelo Centro de Tratamento da Dor (CTD Qualivida) em Vitória da Conquista.

Atualmente, a medicina dispõe de técnicas cada vez mais eficazes para o tratamento e controle da dor e para a reinserção precoce do paciente em seu contexto social. Além de contar com avaliação médica especializada e equipe multidisciplinar, o paciente que sente dor pode ser tratado com medicamentos, bloqueios anestésicos e infiltrações e acompanhamento de fisioterapeutas, psicólogos, nutricionistas e acupunturistas médicos. “Essa é uma data importante para a conscientização do tema, tanto das autoridades quanto da população em geral, para que sejam sensibilizados sobre a questão do controle da dor como direito humano. Todo paciente com dor merece tratamento”, conclui Dra. Monnaliza Fagundes, também especialista em dor do CTD Qualivida.

Publique seu comentário